COMO FICA O MUNDO ATÉ A VINDA DE JESUS?

Mundo e Jesus
“Logo em seguida à tribulação daqueles dias, o sol escurecerá, a lua não dará a sua claridade, as estrelas cairão do firmamento, e os poderes dos céus serão abalados. Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória. E ele enviará os seus anjos, com grande clangor de trombeta, os quais reunirão os seus escolhidos, dos quatro ventos, de uma a outra extremidade dos céus. Aprendei, pois, a parábola da figueira: quando já os seus ramos se renovam e as folhas brotam, sabeis que está próximo o verão. Assim também vós: quando virdes todas estas coisas, sabei que está próximo, às portas. Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que tudo isto aconteça. Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão. Mas a respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão o Pai. Pois assim como foi nos dias de Noé, também será a vinda do Filho do Homem. Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do Homem. Então, dois estarão no campo, um será tomado, e deixado o outro; duas trabalharão num moinho, uma será tomada, e deixada a outra. Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor. Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que hora viria o ladrão, vigiaria e não deixaria que fosse arrombada a sua casa. Por isso, ficai também vós apercebidos; porque, à hora em que não cuidais, o Filho do Homem virá.” (Mateus 24:29-44 ARA).
Estamos em tempos onde cada dia os desafios para a proclamação do evangelho ficam mais difíceis. Dentro e fora da igreja de Jesus as coisas ficam também mais difíceis. O comportamento das pessoas, o pensamento, a vida, ficam mais complicados. A informação tornou-se algo banal. Enquanto a ciência se multiplica nos últimos 60 anos muito mais do que o resto da história da humanidade, o ser humano se torna cada dia mais imoral, cego e cético. Os que se aventuram para o mundo religioso escolhem na maioria a religião natural, aquela onde o mérito da redenção está no homem e não em Deus. Aqueles que poderiam se considerar como pertencentes a religião sobrenatural, em que o mérito da salvação está em Deus (Is.43.11), estão afogados no mar da iconodulia, da meritocracia, do semipelagianismo e da ausência de um discipulado verdadeiro. Enquanto isso: 23,2% do mundo é muçulmano, 16,3% é sem religião, 15% é hindu, 7,1% budista e 6,9% estão em várias outras religiosidades. Diante disso tudo, como fica o mundo até que Jesus venha?
1) Um mundo sem fé.
Jesus nos disse que: “Digo-vos que, depressa, lhes fará justiça. Contudo, quando vier o Filho do Homem, achará, porventura, fé na terra?” (Lucas 18:8 ARA).
Isso mesmo, teremos um mundo sem crer mais em Deus. É só olhar para o percentual: 16,3% das pessoas não pertencem a religião alguma. E esta numeração foi estimada em 2012, e antes de chegar esse ano a população mundial já alcançava a quantidade de 7 bilhões de habitantes. 16,3% de pessoas sem religião eram 1.141.000.000. Atualmente (2017) somos mais de 7,3 bilhões de habitantes. Jesus não fez essa pergunta, ele afirmou em linguagem de retórica. E vivemos o cumprimento de suas palavras hoje.
2) Um mundo da falsa religiosidade crescente.
Jesus nos disse: “levantar-se-ão muitos falsos profetas e enganarão a muitos.” (Mateus 24:11 ARA).
Jesus previu que isso ocorreria. O texto supracitado usa a palavra grega “pseudo” que ficam como prefixo na palavra grega: “pseudoprophetai”. Essa palavra vem do grego “pseudoprophetes” que quer dizer: quem, agindo como um profeta divinamente inspirado, declara falsidades como se fossem discursos que emanam da inspiração divina. Conforme vimos mais acima, o islamismo é quase ¼ da população mundial (23,2%), Isso equivalia em 2012 a 1.624.000.000 de muçulmanos. Isso se contarmos o hinduísmo (1.050.000.000) e o budismo (497.000.000) e as várias outras religiosidades (483.000.000) temos 3.654.000.000 mais da metade da população mundial vivendo uma religiosidade de falsos profetas e falsos mestres. Trazendo uma mensagem de salvação focada no mérito humano e não no de Deus. Todas propõe a salvação por meio de obras e não pela providência divina. Mas atribuem ao homem o meio de se redimir. Tomemos por exemplo a maior delas: o islamismo. O que é o islã a não ser uma religião do mérito humano? Confira no Alcorão: “Ó fiéis, obedecei a Deus e ao Mensageiro, e não desmereçais as vossas ações”. (Surata 47.35). Os muçulmanos acreditam que a salvação depende do esforço de cada um e da caridade: “Aqueles que anelarem a outra vida e se esforçarem para obtê-la, e forem fiéis, terão os seus esforços retribuídos”. (Surata 17.19). “Em troca, os tementes serão conduzidos, em grupos, até ao Paraíso e, lá chegando, abrir-se-ão as suas portas e os seus guardiães lhes dirão: Que a paz esteja convosco! Quão excelente é o que fizestes! Adentrai, pois! Aqui permanecereis eternamente. Dirão: Louvado seja Deus, Que cumpriu a Sua promessa, e nos fez herdar a terra. Alojar-nos-emos no Paraíso onde quisermos. Quão excelente é a recompensa dos caritativos!”. (Surata 39.73,74). “Se evitardes os grandes pecados, que vos estão proibidos, absorver-vos-emos das vossas faltas e vos proporcionaremos digna entrada (no Paraíso)”. (Surata 4.31). “Quanto aos fiéis, que praticam o bem, dar-lhes-emos um lar no Paraíso, abaixo dos quais correm rios, onde morarão eternamente. Quão excelente é a recompensa dos caritativos”. (Surata 29.58).
Quem é Jesus para o islã? Jesus não é o filho de Deus: “… os cristãos dizem: O Messias é filho de Deus. Tais são as palavras de suas bocas; repetem, com isso, as de seus antepassados incrédulos. Que Deus os combata! Como se desviam”. (Surata 9.30). Para o islã Jesus não é divino: “São blasfemos aqueles que dizem: Deus é o Messias, filho de Maria […] O Messias, filho de Maria, não é mais do que um mensageiro…”. (Surata 5.17,75). O islã nega a doutrina da Trindade: “São blasfemos aqueles que dizem: Deus é um da Trindade!, portanto não existe divindade alguma além do Deus Único. Se não desistirem de tudo quanto afirmam, um doloroso castigo açoitará os incrédulos entre eles” (Sutara 5.73). Negam que Jesus foi crucificado: “E por dizerem: Matamos o Messias, Jesus, filho de Maria, o Mensageiro de Deus, embora não sendo, na realidade, certo que o mataram, nem o crucificaram, senão que isso lhes foi simulado. E aqueles que discordam, quanto a isso, estão na dúvida, porque não possuem conhecimento algum, abstraindo-se tão somente em conjecturas; porém, o fato é que não o mataram”. (Surata 4.157), ou seja, o Jesus do islã é outro Jesus: “Se, na verdade, vindo alguém, prega outro Jesus que não temos pregado, ou se aceitais espírito diferente que não tendes recebido, ou evangelho diferente que não tendes abraçado, a esse, de boa mente, o tolerais.” (2 Coríntios 11:4 ARA). O que é o islã senão um cumprimento da palavra do próprio Senhor Jesus, que surgiriam falsos profetas? Qualquer mais outros esclarecimentos sobre isso, confira no meu outro blog o que falo sobre o islã aqui.
3) Um mundo de um cristianismo cada vez descomprometido com a sã doutrina e com a santidade.
O apóstolo Paulo previu isso: “Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos;” (2 Timóteo 4:3 ARA). Jesus profetizou: “Acautelai-vos por vós mesmos, para que nunca vos suceda que o vosso coração fique sobrecarregado com as consequências da orgia, da embriaguez e das preocupações deste mundo, e para que aquele dia não venha sobre vós repentinamente, como um laço. Pois há de sobrevir a todos os que vivem sobre a face de toda a terra. Vigiai, pois, a todo tempo, orando, para que possais escapar de todas estas coisas que têm de suceder e estar em pé na presença do Filho do Homem.” (Lucas 21:34-36 ARA). “E, por se multiplicar a iniquidade, o amor se esfriará de quase todos.” (Mateus 24:12 ARA).
Segundo Jesus, na parábola do semeador (Mt.13.18-23), das sementes lançadas ao chão, 75% germinaram (ver Mt.13.5-8), mas 50% se perderão (as que caíram e solo pedregoso e entre os espinhos). Isso porquê? Sã doutrina não suportada, vida de santidade descuidada e influenciada pelo aumento da iniquidade (grego: anomia).
Infelizmente, estamos rodeados de cristãos cada vez mais descompromissados com a sã doutrina. O que vem a ser isso? Doutrina quer dizer “Tudo que é objeto de ensino”. Outra definição que se encaixa bem com o contexto bíblico: “Crença ou conjunto de crenças que são vistas como verdades absolutas pelos que nelas acreditam”. A palavra “doutrina” é tradução do grego “didaskalous” que vem de “didaskalia”, que quer dizer: “ensino, instrução”. E “sã” é tradução do grego “hugiainoses” que vem de “hugiaino”, que quer dizer no caso: “metáfora de cristãos cujas opiniões estão livres de qualquer contaminação de erro”. Portanto, sã doutrina é o ensinamento puro, que vem das Escrituras, de Jesus, dos evangelhos, das cartas para os ouvidos do público. O texto de Paulo revela que futuramente as pessoas repudiarão os ensinos cristãos clássicos, originais, puros, e abrasariam ensino conforme seus interesses. E é isso que ocorre em nossos dias.

O mesmo se dar com a doutrina da santidade. Em Lucas 21:34-36 Jesus fala de orgia, embriaguez e preocupações deste mundo como coisas que causam uma sobrecarga no coração dos seus discípulos. As palavras donde derivam da tradução do texto são: “kraipale” (1), “methe” (2), “merimna” (3).

(1) tontura e a dor de cabeça causada pelo excesso de vinho.
(2) intoxicação, embriaguez.
(3) cuidado, ansiedade.

A sobrecarga que pode ocasionar de tudo isso que o mundo lança para seduzir os cristãos virará em laço para suas vidas, e a vinda de Jesus será uma tristeza e não alegria para os mesmos que se deixam enveredar por estes caminhos. A palavra “sobrecarregado” mencionada no texto de Lucas tem o mesmo sentido no grego. Em nosso idioma quer dizer: “Que tem excesso de carga, de peso”. Quantos cristãos estão envolvidos com esse tipo de situação? Fica aqui o alerta de Jesus para todos! Santidade meu povo. Jesus virá, e até lá, temos que nos afastar de coisas que nos fazem ficar para trás. A estrada é longa, e quanto menos peso, melhor para prosseguir.

E o que dizer de Mateus 24:12? Jesus fala que a “iniquidade” se multiplicará, e como efeito disso muitos esfriarão. A palavra grega donde se traduz “iniquidade” é “anomian” vem de “anomia”, que quer dizer nesse contexto: “desprezo e violação da lei, iniquidade, maldade”. As pessoas não cristãs desprezarão e violarão tanto a lei divina que a vida espiritual de muitos cristãos descuidados esfriará. Isto é, do grego “psugesetai” vem de “psucho”, que quer dizer nesse contexto “esfriar pelo sopro”. A iniquidade será tamanha que os cristãos serão soprados assim como quem vai tomar uma bebida quente e para isso tem que soprar. O mundo vai querer nos engolir, nos tragar, e Jesus prediz aqui que muitos cristãos vão ceder, não vão resistir. Por isso, precisamos cuidar cada vez mais de nos santificar e nos separar das práticas mundanas.

Maranata!

Fontes consultadas:

Léxico grego de Strong. Da Bíblia Online módulo avançado. SBB.
Textus Receptus. Da Bíblia Online módulo avançado. SBB.
Alcorão
Bíblia versão ARA
http://www.aulete.com.br/sobrecarregado
http://www.aulete.com.br/doutrina
http://www.cartacapital.com.br/sociedade/pesquisa-mostra-que-16-da-populacao-mundial-nao-tem-religiao

0 respostas

Deixe uma resposta

Promova o debate!
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *